Encoders de Segurança: Usando Encoders em Projetos de Segurança Funcional

Encoders de Segurança: Usando Encoders em Projetos de Segurança Funcional

Houve um tempo em que a segurança residia apenas em componentes discretos, como relés, travas de portas e cortinas de luz. Com a proliferação da automação no ambiente da fábrica, a segurança evoluiu para um processo no nível do sistema e está atraindo atenção crescente em automação de máquina.

Quer visitar diretamente a página de produtos? Precisa de uma cotação? Clique aqui!

A segurança funcional não apenas melhora a segurança do trabalhador e reduz os riscos, mas por meio de funções como Velocidade Limitada Segura (Safe Limited Speed, ou SLS), Direção Segura (Safe Direction, ou SDI) e Incremento Limitado Seguro (Safe Limited Increment, ou SLI), a segurança funcional pode aumentar a produtividade, reduzir o tempo de paradas e acelerar a manutenção.

Os principais equipamentos para segurança funcional incluem inversores habilitados para segurança para controlar a operação de motores, CLPs de segurança que coletam feedback e se comunicam com o inversor, e sensores habilitados para segurança, como encoders para área classificada que fornecem feedback ao inversor e/ou CLP.

O que é um encoder de segurança

O encoder de segurança possibilita que os outros componentes monitorem a velocidade, direção e posição do motor e/ou carga e forneçam feedback se as condições atenderem a um estado inseguro predefinido.

Embora o controlador de segurança e/ou o inversor habilitado para segurança controlem o processo, eles tornam-se limitados sem um feedback a partir de um encoder para área classificada. Estritamente falando, um encoder para área classificada é certificado com o padrão de segurança apropriado. Por exemplo, o protocolo do encoder ACURO AD37 é certificado conforme a IEC 61508, a SIL3 e a ISO 13849, Cat. 3 PLe (Performance Level).

Na prática, um encoder de segurança inclui:

– Interface mecânica segura: normalmente superdimensionada ou redundante, por exemplo o uso de uma chaveta e um colar de travamento

– Sensores integrados para monitorar outros equipamentos: sensor de temperatura para monitorar os enrolamentos do motor

– Mecanismos de detecção dupla (redundância) para evitar falhas de causa comum: um sensor óptico absoluto digital e um sensor óptico analógico incremental

– Dois canais separados para rotear dados através do encoder: um canal para transmitir dados digitais absolutos e o segundo canal para transmitir dados analógicos incrementais e dados de diagnóstico a partir de níveis altos em sensores de placa.

– Uma interface elétrica para área classificada a fim de transmitir dados do encoder escravo para o mestre (inversor ou PLC)

– Um protocolo de comunicação para área classificada

– Diagnóstico integrado/autoteste

É importante lembrar que o nível de segurança do sistema é tão bom quanto seu elemento menos confiável. Vincular um encoder SIL3 a componentes com classificações de segurança mais baixas não resultará em um sistema SIL3.

Normas de Segurança Funcional

Embora os padrões individuais de segurança funcional especifiquem o desempenho dos componentes, a segurança funcional é implementada na operação do equipamento. Uma máquina segura é definida como aquela que opera dentro de parâmetros que garantem uma operação segura. Sempre que o equipamento, a lógica de controle e/ou os operadores tentarem operar a máquina fora desses parâmetros, os componentes de segurança deverão impedir ações adicionais e colocar o equipamento em um estado seguro conhecido.

As principais normas de segurança funcional são:

– IEC EM 61508, Partes 1 a 3: principal norma de segurança funcional, amplamente aplicada a todos os tipos de sistemas elétricos/eletrônicos/programáveis (electrical/electronic/programmable systems, ou E/E/PS) ​​críticos de segurança e sistemas com uma função de segurança incorporando E/E/PS. Define o Nível de Integridade de Segurança (Safety Integrity Level, ou SIL), estrutura de classificação de segurança.

– IEC 61800-5-2: Sistemas de acionamento de energia elétrica com velocidade ajustável, requisitos de segurança funcionais. Define as funções do inversor para área classificada, como SLS, SDI e SLI.

– IEC 62061: Segurança de máquinas, segurança funcional de E/E/PS relacionados, com base na norma EN 61508.

– ISO 13849-1, -2: segurança de máquinas, componentes de sistemas de comando relacionados à segurança. Uma norma não dependente da tecnologia para a segurança do sistema de controle de máquinas. Ele define a estrutura de classificação de segurança do Nível de Desempenho (Performance Level, ou PL).

Procurando por uma solução customizada? Fale seus requisitos e nosso engenheiros de aplicação ajudarão a encontrar a solução certa. Contate-nos!

Sobre a Dynapar

A Dynapar é uma das empresas operacionais da Specialty Product Technologies do Grupo Fortive, do qual também fazem parte a Veeder-RootWest Control SolutionsHengstlerAnderson-NegeleGems Sensors, entre outras. Possui fábricas no Brasil, Estados Unidos e Alemanha.

Conta com assistência técnica local e 1 ano de garantia para todos os produtos. Oferece a mais completa linha de encoders do mercado: incremental, absoluto, senoidal, heavy-duty (robusto).

Seus encoders são dedicados a mercados como energia eólica, área petrolífera e veículos fora da estrada. Experiência, versatilidade e competência para atender sua necessidade de precisão e desempenho.

Visão geral do encoder de código gray

17 de abril

Os encoders de código gray, também conhecidos como encoders de código binário refletidos, produzem...

EtherNet/IP: Características, o que é, diferenças, topologia e mais!

31 de março

Conheça mais sobre o protocolo de comunicação EtherNet/IP! A Dynapar é fabricante de encoders...

Como sincronizar motores com Encoders de feedback

17 de abril

Muitas aplicações requerem a sincronização de dois ou mais motores, incluindo portos, linhas de...

Deixe uma resposta